Notícias periódicas da ISOC: Governos pressionam o Facebook a interromper planos para utilização de criptografia

Exigências anti-criptografia: a CNet informou que funcionários do governo dos EUA, do Reino Unido e da Austrália pediram ao Facebook que suspendesse os seus planos de expandir a criptografia em serviços como o Messenger. Uma carta assinada pelo procurador-geral dos EUA, William Barr, e outros funcionários diz o seguinte: “Estamos a escrever-vos para solicitar que o Facebook não prossiga com seu plano de implementar criptografia de end-to-end nos serviços de mensagens, sem garantir que não haja redução na segurança do utilizador e sem incluir meios de acesso legal ao conteúdo das comunicações para proteger os cidadãos”. Como seria de esperar, os defensores da privacidade têm grandes reticências sobre este pedido.

Aprenda sobre o impacto diário da criptografia e sobre como garantir que as políticas sobre criptografia protegem pessoas, comunidades vulneráveis, comércio e segurança nacional. Participe no “Briefing de criptografia da Internet Society: Compreender os seus elementos técnicos e humanos.

Esta lei não é falsa: a Rádio SPDP disse que uma nova lei de notícias falsas em Singapura entrou em vigor. A lei inclui multas até US $60.000 e 10 anos de prisão para pessoas consideradas culpadas em difundir o que o governo considera notícias falsas. Os sites poderão sofrer multas de mais de US $720.000 por não retirarem as chamadas notícias falsas depois de receberem ordens para fazê-lo. Como seria de esperar, os defensores da liberdade de expressão têm grandes problemas com a lei.

As linhas estão cortadas: a CNet disse que o acesso à Internet na maior parte do Iraque foi cortado após protestos violentos no país. No entanto, algumas pessoas ainda conseguiram aceder a serviços de mensagens através de soluções alternativas. O Iraque também impôs recolher obrigatório após violentos protestos contra o governo, relatou o Washington Post.

A neutralidade da rede acabou?: o Hollywood Reporter disse que um tribunal de alegações dos EUA confirmou a decisão da Comissão Federal de Comunicações (FCC) de revogar suas regras de neutralidade da rede aprovadas em 2015. No entanto, o tribunal acrescentou que a FCC não pode impedir que os Estados (dos EUA) adotem as suas próprias regras e que proíbam os fornecedores Internet de bloquear ou diminuir o tráfego de maneira seletiva.

Notícias elaboradas a partir de https://www.internetsociety.org/blog